Reforma Política, direitos humanos, educação e saúde – Entrevista para o Diário do Sudoeste em Pato Branco

foto_14823_300,225,index

Além de defender propostas na área da educação, saúde e direitos humanos, Reis é favorável a reforma política (Foto: Marcelo Coan / Diário do Sudoeste)

Toni Reis diz que o importante no pleito é o debate e a construção de novas lideranças.

 

Defensor de áreas como a Educação, Saúde e Direitos Humanos, o professor e especialista em sexualidade humana e dinâmica de grupo, Mestre em Filosofia, Doutor em Educação, Toni Reis (PCdoB), trabalha para viabilizar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep)

Em agenda pelo Sudoeste, na última semana Reis visitou a redação do Diário do Sudoeste e falou sobre as propostas de campanha, corrida eleitoral e cenário político.

Embora tenha lembrado que se destacou no âmbito nacional e internacional pela defesa dos Direitos Humanos, especialmente de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT), Reis falou que também tem propostas para a área da educação.
Como houve a aprovação dos 10% Produto Interno Bruto (PIB) e parte dos recursos do pré-sal para a Educação, o candidato defende que os 399 municípios do Estado tenham planos estaduais para que o analfabetismo seja eliminado e os profissionais da área sejam valorizados. “A Educação é uma das prioridades”.

Na área da Saúde, o candidato afirma que houve avanços, entretanto reconhece que existem problemas. Ele coloca que é preciso apoiar principalmente a questão das especialidades. “Embora Pato Branco seja um centro de excelência, todas as cidades precisam se deslocar para o município”, disse ele, afirmando que é preciso mais especialista e médicos.

Entrevista__de__Toni_Reis__ao__Diário_do__SudoesteNo caso dos Direitos Humanos, Reis coloca que a situação de LGBT — onde teve a oportunidade de ser presidente da associação brasileira LGBT — houve a conquista dos direitos no Supremo Tribunal Federal (STF). Mesmo que tenham ocorrido alguns avanços, Reis defende a necessidade de políticas na área da educação para o respeito da diversidade humana. Ainda dentro dos Direitos Humanos, Reis disse que pretende dedicar um trabalho forte na questão da adoção.

Questionado como pretende defender e colocar em prática as propostas, Reis lembrou que o papel do Legislador é fiscalizar o Executivo, independente se é oposição ou situação. Entretanto, pretende implementar as ações através de audiências públicas, projetos de leis e apoio aos movimentos sociais.

Reforma política

Na avaliação de Reis, a política é um jogo bruto, infelizmente de cartas marcadas. “Eu não desanimo, pois sou um idealista. Estou há 30 anos no movimento social e na política”. Segundo o candidato, o poder econômico é quem manda. No entendimento dele, mesmo com a ficha limpa e com a fiscalização do Ministério Público (MP), Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “a gente percebe o abuso do poder econômico”.

Para Reis, a reforma política precisa fortalecer os partidos. “Sou favorável para que a eleição seja por lista partidária e, depois, num segundo momento, que ocorra o voto nas pessoas”. Além disso, ele defende a inclusão das mulheres. “Precisa ter uma reforma política consistente, com financiamento público e voto em lista”.

Campanha

Questionado sobre o clima da campanha eleitoral, Reis falou que percebe certa apatia. “As pessoas não querem saber. O eleitor está meio que repudiando”. No entendimento do candidato, o pleito não se resume apenas em ser eleito ou não. Segundo ele, o importante é o debate e a construção de novas lideranças.

 

Fonte: Diário do Sudoeste, Marcelo Coan.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

*